#Fichamento – Ambientes e fluxos de informação

VALENTIM, Marta (Org.). Ambientes e fluxos de informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. 281 p.

Informações gerais sobre a obra

Capa do livro "Ambientes e fluxos de informação"
#Acessibilidade: Capa do livro “Ambientes e fluxos de informação”. A capa é cinza e nela aparecem nome da organizadora, título e editora da obra.

Coletânea composta por 14 capítulos escritos por autoras/es brasileiras/os. Além de textos da própria organizadora da coletânea, constam textos de Regina Belluzzo, Oswaldo Almeida Junior, Bárbara Fadel, dentre outras/os. Essa obra recebeu, até a data dessa postagem, 93 citações segundo as métricas fornecidas pelo Google Acadêmico.

O principal ponto positivo desse livro é reunir textos sobre os fluxos de informação existentes para além da biblioteca. Bibliotecárias que atuam ou tem interesse de atuar no ambiente empresarial podem tirar bastante proveito da leitura desta obra.

Continue lendo “#Fichamento – Ambientes e fluxos de informação”

Resenha – O negro na biblioteca

Os últimos anos viram um aumento na quantidade de obras que tem questões vinculadas a comunidade negra como norte. Exemplo disso são Mulheres negras na Biblioteconomia, Epistemologias negras: relações raciais na Biblioteconomia, dentre outras. Esses e outros trabalhos representam um significativo ganho qualitativo para a Biblioteconomia.

Apesar dos avanças ainda há muito que percorrer a fim de superar o peso de décadas de negligencia teórico-prática que ainda se fazem sentir na produção da área. Diante disso, é muito importante disseminarmos obras que contribuem para o fim dessa lacuna e uma dessas obras é o livro O negro na biblioteca: mediações da informação para construção da identidade negra, de Francilene Cardoso.

#PraCegoVer: Montagem mostrando no lado esquerdo a capa do livro resenhado e no lado direito uma citação dele. Na capa aparece uma mulher negra contando histórias para um grupos de crianças e, um pouco abaixo, o corredor de uma biblioteca. A citação usada é “Se na história da biblioteca pública raramente se preservaram as produções culturais de setores populares, na atualidade é basilar que se preserve a memória desses setores para que se construa uma biblioteca pública verdadeiramente democrática”
Continue lendo “Resenha – O negro na biblioteca”

Resenha – Bibliotecas públicas, bibliotecários e censura na Era Vargas e Regime Militar

Hoje, 7 de janeiro, é dia do/a leitor/a. E essa, sem sombra de dúvidas, é uma data importante para quem faz parte (e quer que cada vez mais pessoas façam parte) do universo do livro e da leitura.

Esse universo da leitura, para se caracterizar enquanto tal, precisa ser diverso nas obras literárias e artísticas que abriga. Para manter essa diversidade, vez por outra, bibliotecárias precisam encarar um obstáculo chamado: censura. E é sobre essa relação entre bibliotecas – bibliotecárias/os – censura que obra aqui resenhada trata.

vendados
#PraCegoVer: Fotografia preto e branco da cabeça de uma mulher de perfil. Ela está vendada.

Continue lendo “Resenha – Bibliotecas públicas, bibliotecários e censura na Era Vargas e Regime Militar”

Resenha – Bibliotecas no Mundo Antigo

CASSON, Lionel. Bibliotecas no mundo antigo. Tradução de Cristina Antunes. São Paulo: Vestígio, 2018.

Capa do livro Bibliotecas no mundo antigo
#PraCegoVer: Capa do livro Bibliotecas no mundo antigo. Nela aparece a sala de uma biblioteca da Antiguidade com colunas decoradas. Ao fundo há uma estante onde homens procuram pergaminhos e a esquerda há uma mesa onde homens leem pergaminhos. Todos vestem túnicas coloridas.

Comprei esse livro por impulso por causa de uma promoção ótima da Amazon. Quando o livro chegou aqui em casa achei a capa bonita, mas o coloquei na pilha interminável de leituras pendentes. Por engano ele foi junto com alguns livros que levei pra estudar em Juazeiro (para quem chegou aqui agora, estou estudando na UFCA, então fico indo e vindo entre duas cidades) e, por isso, acabou se tornando uma leitura que fiz pra desopilar dos textos que estou lendo na pós-graduação. E olha, que ótima leitura ele se mostrou!

Lionel Casson (1914 – 2009) era professor emérito da Universidade de Nova Iorque. Sua especialidade era história marítima, mas ele também desenvolveu estudos sobre literatura grega. Ao longo de sua carreira, teve 23 livros publicados, além de trabalhos em outros formatos. Em 2005 foi agraciado pelo Archaeological Institute of America (Instituto Arqueológico da América) com a Gold Medal Award for Distinguished Archaeological Achievement que é um prêmio concedido aos pesquisadores que contribuíram de maneira notável para o desenvolvimento da arqueologia. Continue lendo “Resenha – Bibliotecas no Mundo Antigo”

Resenha – Técnicas modernas de preservação & recuperação de acervos bibliográficos

GOMES, Gláucia; NOGUEIRA, Isabel; ABRUNHOSA, J. J. Técnicas modernas de preservação & recuperação de acervos bibliográficos. Nova Friburgo: Êxito Brasil, 2006.

TECNICAS_MODERNAS_DE_PRESERVACAO_E_RECUP_1395961032B
#PraCegoVer: Capa, em tons arroxeados, do livro resenhado na postagem. Além do título e do nome das autoras aparecem pilhas de papéis e, ao fundo, desfocadas, há estantes com mais pilhas de papéis. Fonte: Skoob

Antes de começar a resenha propriamente dita, um conselho: quando você estiver num evento da sua área e nele tiver uma banquinha vendendo livros e afins, passe pra dar uma olhada. Normalmente, itens legais costumam ser vendidos por lá.

Foi seguindo meu próprio maravilhoso conselho – agora compartilhado com vocês – que encontrei o livro do qual vou falar hoje. Não sou especialista na área de preservação de acervos, então o livro Técnicas modernas de preservação & recuperação de acervos bibliográficos acabou me ajudando a aprender mais um pouco e preencher algumas lacunas.

A obra está dividida em cinco capítulos. São eles: Introdução; o livro e seus componentes; Técnicas de preservação; Técnicas de recuperação e Técnica moderna de preservação de documentos e papéis por desacidificação. Continue lendo “Resenha – Técnicas modernas de preservação & recuperação de acervos bibliográficos”