Como fui de 2047 para 2007 seguidores no Instagram em uma tarde: faça você também isso no seu perfil

O título dessa postagem não é irônico. É só uma síntese – que me causa risos, mas que, provavelmente, irrita outras pessoas – do que tem norteado minha relação com as mídias sociais nos últimos tempos. Como toda síntese, ela é superficial, mas por ora vamos usá-la como base para as reflexões deste texto.

Eu produzo conteúdo porque quero me comunicar com as pessoas. Porque, assim como aprendo com projetos e materiais produzidos e/ou compartilhados por colegas, quero partilhar um pouco do que sei, penso, imagino, sinto e vivo. Produzo conteúdo porque estando eu nas margens, cavar meus próprios lugares para falar é indispensável. Produzo conteúdo porque, como diz namô, minha cabeça não para. Ou seja, como boa parte dos produtores, produzo conteúdo por motivos nobres, pero no mucho.

Continuar lendo

6 ferramentas que uso para produzir conteúdo

Desde que comecei o blog (e todas as outras facetas que ele assumiu ao longo dos anos) as ferramentas que utilizo para organizar, rascunhar e dar forma definitiva as postagens mudaram um pouco. Na postagem de hoje compartilho as que mais tenho utilizado ao longo de 2020.

Fonte: Pixabay
Continuar lendo

Refletindo sobre os termos de uso das mídias sociais

Olá, pessoas!

Vocês leem os termos de uso das mídias sociais (Facebook, Twitter, Instagram, etc.) quando vão criar o perfil numa delas? Ou só clicam no “Eu concordo” (I agree) e seguem em frente?

Nunca li um desses termos em sua totalidade. Tenho tentado minimizar esse problema acompanhando melhor o debate e as atualizações de políticas dessas mídias, mas estou beeeeeeem longe do ideal.

Vale lembrar que as políticas de uso não estão presentes só nas mídias sociais. Muitos sites também as possuem. Em 2012, pesquisas estimavam que se fôssemos ler as políticas de todos os sites que visitamos ao longo de um ano gastaríamos o equivalente a 25 dias inteiros. Se esse período fosse organizado em horas trabalhadas – levando em conta um expediente de 8 horas diárias – seria o equivalente a 76 dias de trabalho. E essas estimativas são de cinco anos atrás. Continuar lendo

Dois dedos de prosa sobre ter um blog

1

O bloguinho e eu acabamos de ganhar uma coroa de louros

Acessei o blog e me deparei com um “Parabéns!” do WordPress por ser usuária desta plataforma a meia década. Faz 5 anos que estou metida neste mundo de blogs produzindo conteúdo e muita água já rolou embaixo desta ponte. Já tive blog que não existe mais e já mudei radicalmente de opinião e de público alvo das postagens. Já até falei que nunca mais teria blog na vida, mas cá estamos nós. Continuar lendo

Tem newsletter para você

Eu sou uma entusiasta da Web e das mídias sociais, pois acredito que esses recursos oferecem muitas novas (ou não tão novas assim) possibilidades para as bibliotecas e bibliotecários/as. Mas eu também sou a pessoa que não tem mais WhatsApp e que ficou mais de um ano ininterrupto sem Facebook.

icon-1798271_640

Você tem uma nova mensagem. Fonte: Adaptado de Pixabay.

Nesse período acabei me aproximando de recursos informacionais que eu não utilizava tanto. Foi uma experiência bem interessante e enriquecedora porque se eu quisesse me manter atualizada, independente de ser uma atualização sobre Biblioteconomia ou outros assuntos, eu não podia mais contar com o feed do Facebook e muito menos com os grupos de WhatsApp.

Acabei incorporando alguns recursos a minha rotina de consumo informacional e o que mais passei a utilizar foram as newsletters. Para quem não conhece, a newsletter é um tipo de e-mail informativo enviado com certa regularidade. Essa é uma ferramenta muito usada para enviar propaganda, mas nos últimos 3 ou 4 anos cresceu o número de pessoas e instituições que a utilizam para compartilhar os mais variados tipos de assuntos. Continuar lendo