Resenha – O negro na biblioteca

Os últimos anos viram um aumento na quantidade de obras que tem questões vinculadas a comunidade negra como norte. Exemplo disso são Mulheres negras na Biblioteconomia, Epistemologias negras: relações raciais na Biblioteconomia, dentre outras. Esses e outros trabalhos representam um significativo ganho qualitativo para a Biblioteconomia.

Apesar dos avanças ainda há muito que percorrer a fim de superar o peso de décadas de negligencia teórico-prática que ainda se fazem sentir na produção da área. Diante disso, é muito importante disseminarmos obras que contribuem para o fim dessa lacuna e uma dessas obras é o livro O negro na biblioteca: mediações da informação para construção da identidade negra, de Francilene Cardoso.

#PraCegoVer: Montagem mostrando no lado esquerdo a capa do livro resenhado e no lado direito uma citação dele. Na capa aparece uma mulher negra contando histórias para um grupos de crianças e, um pouco abaixo, o corredor de uma biblioteca. A citação usada é “Se na história da biblioteca pública raramente se preservaram as produções culturais de setores populares, na atualidade é basilar que se preserve a memória desses setores para que se construa uma biblioteca pública verdadeiramente democrática”

Nesse livro, oriundo de dissertação, a autora parte do contexto maranhense para discutir e apresentar alternativas que permitam que a história e cultura negra sejam incorporadas no contexto de atividades de mediação, especialmente a mediação de leitura, promovido pela biblioteca pública. Em um dos primeiros capítulos do livro ela relata o Projeto Consciência Negra realizado na Biblioteca infantojuvenil Viriato Corrêa. Esse projeto fez uso de música, dança, rodas de leitura e exposição para apresentar a cultura negra para crianças e adolescentes.

A discussão que Francilene Cardoso faz sobre a diferença entre memória e história é muito boa, porém meu ponto favorito da discussão teórica do livro são os tópicos sobre oralidade e como ela pode ser adotada pelas bibliotecas para construção de narrativas contra-hegemônicas e preservação e difusão da cultura negra. Gostei bastante do fato da autora ter trazido pesquisadoras/es da sociologia, história e psicologia para discutir oralidade no contexto da Biblioteconomia e da Ciência da Informação.

A discussão teórica da obra como um todo é bem elaborada e a autora constrói o texto de modo a facilitar o acompanhamento das ideias apresentadas.

Na terceira parte do livro, é apresentada uma proposta de desenvolvimento de coleções tendo por base o uso da oralidade. Achei a iniciativa ousada e com muito potencial para funcionar e ser adaptada em contextos para além do maranhense.

Uma das coisas que mais apreciei nesse livro é que desde o começo ele traz opções de ação para os/as bibliotecários/as. Desde o começo a autora tenta nos mostrar que é possível sim construir uma biblioteca viva e que colabore para a quebra de estereótipos racistas.

Ubuntu e até a próxima postagem! 🙂

Um comentário em “Resenha – O negro na biblioteca

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.